Ir para o conteúdo principal
porno mat i sin xxx odia in adult rape videos
agri escort elazig escort
escort alanya
ankara escort
bonus veren siteler
makale ozgunluk testi
huluhub.com
Luxury replica watches
www.copeland.club
old sex women boy to boy xxx nude

Eu Indico

mai 22

Written by: admindico
22/05/2020 11:47  RssIcon

Durante a quarentena, o CRE Mario Covas, por meio do NUMAH, indica leituras para inspiração na construção dos Diários

 

A proposta do CRE Mario Covas, por intermédio do Núcleo de Memória e Acervo Histórico (NUMAH), “Diários Construindo Memórias: Educadores em Tempos de Pandemia” apresenta a possibilidade de relacionar memórias e autobiografias com Diários. As duas situações proporcionam ao autor uma melhor percepção de sua condição na história.

Pedro Nava, médico e escritor memorialista morto em 1984, narra em seu livro “Chão de Ferro” como a Gripe Espanhola é percebida após um bom tempo da pandemia: “Era apavorante a rapidez com que ela ia da invasão ao apogeu, em poucas horas, levando a vítima às sufocações, às diarreias, às dores lancinantes, ao letargo, ao coma, à uremia, à sincope e à morte em algumas horas ou poucos dias. Aterrava a velocidade do contágio e o número de pessoas que estavam sendo acometidas”.

Veja trechos selecionados por Merval Pereira em: http://www.academia.org.br/artigos/gripe-espanhola (acesso em 30/04/2020).

Já na autobiografia “Febre de Bola”, de Nick Hornby, suas memórias expõem a constituição do autor como “pessoa”, que a paixão pelo seu time de futebol indica a temporalidade de acontecimentos fundamentais em sua vida:

“Acho que já é hora de uma defesa quanto à precisão destas memórias, e talvez das memórias de todo torcedor de futebol. Nunca mantive diário de torcedor e esqueci completamente centenas e centenas de jogos; mas a passagem do tempo, na minha vida, está ligada às partidas do Arsenal, e todos os acontecimentos de alguma forma significativos para mim estão contaminados pelo futebol. A primeira vez que fui padrinho de um casamento? Perdemos de 1 a 0 pro Tottenham [...] O fim do meu primeiro caso de amor de verdade? Foi no dia seguinte a um decepcionante empate de 2 a 2 com o Coventry, em 1981. Que esses acontecimentos tenham ficado marcados talvez seja compreensível, mas o que não consigo explicar é por que me lembro de outras coisas. [...] A memória de um obsessivo talvez seja, portanto, mais criativa do que a de uma pessoa comum; não no sentido de que inventamos coisas, mas de que nossas lembranças são um filme barroco, cheio de inovações, saltos de roteiro e narrativas simultâneas dividindo a tela.” (HORNBY, Nick. Carol Blackburn: Arsenal x Derby, 31/03/1973. In: _______. Febre de Bola. São Paulo: Companhia das Letras, 2013, p. 118-119.)

Que tal você escrever no Diário, em tempos de reclusão, algumas de suas memórias?

Quer compartilhar experiências com diários ou tem sugestões? Entre em contato conosco: nucleodememoriacre@educacao.sp.gov.br.

 

Tags:
Categories:
Location: Blogs Parent Separator Eu Indico

Busca no Eu Indico: