Ir para o conteúdo principal
porno mat i sin xxx odia in adult rape videos
agri escort elazig escort
ankara escort
bonusal
huluhub.com
Luxury replica watches
old sex women boy to boy xxx nude
beylikduzu escort mature porno
ankara escort bayan

Notícias

dez 10

Written by: adm
10/12/2019 11:09  RssIcon

Mais de 3 mil professores e alunos participaram das inúmeras atividades que aconteceram na EFAPE.

10 de Dezembro de 2019

Enquanto um palestrante se apresentava no auditório, um aluno demonstrava seu experimento nos corredores e um professor acompanhava uma oficina dentro da sala de aula. Foi assim, com mais de 3 mil alunos e professores da Rede circulando pela EFAPE, durante dois dias de programação intensa e mão na massa, que aconteceu o Movimento Inova.

O Movimento surgiu no contexto do Inova Educação, programa da Secretaria da Educação criado com o propósito de atender todos os estudantes do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental e Médio, oferecendo atividades educativas mais alinhadas às vocações, desejos e realidades de cada aluno, por meio dos componentes Projeto de Vida, Eletivas e Tecnologia e Inovação.

Para Cristina Mabelini, coordenadora da EFAPE, foi uma honra poder sediar este movimento.

“A EFAPE não perderia a chance de ser a casa de todos esses convidados, de “hospedar” tanta gente e contribuir para fomentar práticas mais inovadoras na educação e, claro, formar e apoiar os profissionais da educação nos novos desafios que enfrentamos”.

Débora Garofalo, assessora de Tecnologia da SEDUC, e uma das responsáveis pelo evento, conta entusiasmada:

“Começa hoje de fato a nossa transformação da educação da rede estadual de São Paulo. É algo inédito porque é a primeira vez que fazemos um evento dessa proporção, que a gente traz realmente professores e estudantes das 91 diretorias de ensino para vivenciar dias de aprendizagem e também para serem protagonistas, mostrando o trabalho que cada escola desenvolve”.

PROGRAMAÇÃO

O Movimento Inova contou com uma programação plural, e entre as mais de 25 palestras e 90 oficinas, o público presente pôde participar de bate-papos instigantes sobre assuntos que permeiam a educação para o século 21.

Fabio Zsigmond, cofundador do Mundo Maker, foi um dos palestrantes e trouxe ao palco o contexto do mundo atual, os desafios do modelo tradicional da educação, e também apresentou conceitos de educação integral, de aprendizagem criativa e, claro, cultura maker.

“Temos muitas ferramentas disponíveis para aprender, mas nem todas estão sendo utilizadas. A cultura maker é uma delas. Na realidade, é uma filosofia, mas que traz um ferramental de aprendizagem. Vai além do saber fazer alguma coisa, tem o potencial de trabalhar profundamente o ser humano em sua dimensão, aprendendo a lidar com outras pessoas, consigo mesmo.” Também explicou como os educadores podem aplicar o conceito em sala de aula: “A cultura ou educação maker é uma educação de atitude, não de coisa. Não precisa de recursos para começar, e sim compreender que é uma questão de como ela vai mediar a aprendizagem, e o que vai instigar nos alunos”.

A presidente-executiva do Instituto Palavra Aberta, Patricia Blanco, também marcou presença, oferecendo oficinas e palestras de um assunto que fará parte de uma Eletiva, que está em construção para o Inova Educação. “Muito Além da Fake News” abordou o conceito da Educação Midiática, com o objetivo de apresentar aos estudantes e professores como ser consumidor e produtor de conteúdo de forma responsável e consciente.

“Vejo que a educação midiática é uma necessidade para nossos tempos. Nós não podemos brigar com esse mundo conectado, nós temos que aprender a navegar nele”, afirma Patricia.

O modelo tradicional de aprendizagem, aquele com lousa, giz e caderno, já não é o suficiente para atender às necessidades dessas novas gerações. Foi com essa proposta que oficineiros do Programaê convidaram os presentes a construírem juntos um conhecimento científico, de uma maneira diferente. Sem o uso de recursos digitais, todos puderam compreender a lógica por trás da programação e da robótica, utilizando materiais simples do dia a dia. José Diego de Melo, professor da rede estadual do Espírito Santo, que mediou a oficina, acredita que momentos como este são primordiais para o ensino.

Estamos num momento de transformação da educação. Ainda precisamos conquistar coisas do passado, de uma educação que não foi atingida, mas precisamos correr para atingir a educação que está lá na frente. Temos uma Indústria 4.0, e precisamos achar um jeito de ajudar professores e alunos a se inserir nisso, e a querer participar disso. Entender que não é coisa de outro mundo, não é uma coisa que é impossível, pode ser conquistada.”

De casa cheia, oficinas e palestras tiveram vagas esgotadas, e estudantes e profissionais das 91 diretorias de ensino puderam se conectar a novas formas de aprendizagens. Para Sthefanie Kalil Kairallah, PCNP de Tecnologia da Diretoria de Ensino de Avaré, a experiência não poderia ter sido melhor:

“A maior ênfase desse movimento é o mix de atividades e potencialidades das habilidades que são trabalhadas. Foi muito enriquecedor para mim, como PCNP, e imagino que também tenha sido para os meninos, meninas e professores, porque foi um momento único na Rede, de impacto”.

 

 

PREMIAÇÃO

Além das oficinas e palestras, o espaço também contou com a 6ª Feira de Ciência das Escolas Estaduais de São Paulo (FeCEESP), Mostra Interativa de Robótica e Computação e uma Maratona de Hackathon. Todos projetos apresentados foram avaliados para premiação. Ao final do segundo dia, os vencedores foram anunciados, na presença do secretário da Educação, Rossieli Soares. O prêmio foi troféu, medalha, e também a oportunidade de visitar à sede da empresa Apple em São Paulo.   

Confira aqui a lista dos premiados.

Tags:
Categories:

Busca de Notícias